segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Vamos ter que desapegar do controle editorial


O assunto da vez é a proliferação das notícias falsas nas redes sociais, seus efeitos negativos e como combatê-las. O problema é sério, cabem muitas discussões para diagnosticá-lo assim como podem existir muitas ideias para contorná-lo. No entanto, acredito que uma coisa precisa ficar de fora dessa discussão: o controle editorial das redes sociais.

Discordo de Bart Cammaerts (professor de mídia e comunicação na London School of Economics) que recentemente declarou que "Facebook e Twitter têm responsabilidades editoriais" (veja a matéria completa aqui). Não, não têm! O equívoco é comum e deriva do fato de se olhar para as redes sociais com o paradigma das mídias de massa. Redes sociais são outra dimensão de interação das pessoas com os acontecimentos e precisam de uma abordagem diferente da que existia para as mídias "de um para muitos".

Para entender melhor, vejamos um exemplo equivalente, que aconteceu há muitos séculos e para o qual já conhecemos os desdobramentos e o desfecho: Até o século XV poucas pessoas tinham acesso a textos escritos. Também poucos sabiam ler. A Bíblia, por exemplo, era lida por membros do clero que interpretavam e transmitiam a mensagem para outros. Após a invenção da prensa (em meados do século XV) e a massificação da alfabetização (meados do século XVIII), as pessoas passaram a ter contato direto com o texto escrito e a leitura e interpretação da Bíblia foi desintermediada. Deve ter sido um desespero abrir mão desse controle! Devem ter aparecido milhares de pessoas defendendo a ideia de que isso era ruim e maléfico à sociedade. O resto da história é conhecida. Não conheço uma só pessoa que defenda o analfabetismo ou a restrição de acesso a textos escritos, como forma de dirigir a sociedade para um destino melhor.

Estamos passando por um desafio semelhante. A internet favorece o descontrole da produção e distribuição da notícia e isso eventualmente pode gerar os efeitos que estamos vendo agora, mas vamos ter que aprender a desapegar do controle editorial. Qualquer ação nesse sentido é uma ameaça à liberdade de expressão que seria algo muito mais maléfico para a sociedade do que a publicação de informações falsas. Acreditamos e compartilhamos notícias falsas pelas redes sociais porque durante séculos fomos acostumados a consumir, sem nenhum distanciamento crítico, toda informação que nos chegava sobre os acontecimentos no mundo. Precisamos de um tempo para aprender a nos relacionar com as notícias que passaram a chegar por outras vias. Precisamos desenvolver competências e habilidades para identificar e combater notícias falsas e isso não pode ser feito de outra maneira que não seja usando a mesma topologia da rede que as criam e distribuem (descentralização, autonomia e autoridade nas pontas, redistribuição de contra-argumento). Por que deixaremos o inimigo com as melhores armas e nos contentaremos com armas menos eficazes? Seria uma guerra perdida.

A médio prazo, a sociedade vai ganhar com isso. Controle editorial de redes sociais digitais é um erro, uma falsa proteção aos valores liberais e democráticos, uma solução que só faz sentido quando se desconhece completamente a essência da internet e o papel das suas ferramentas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário